Scania LK/LKS 140/141/111: O poderoso V8 da Scania

O "CAMINHÃO DO CARGA PESADA" FOI O CAMINHÃO MAIS POTENTE DO MUNDO A SEU TEMPO E TEVE OPÇÃO SEIS CILINDROS NA ENTRADA.

A Scania já tinha o câmbio mais potente do país era o L110 Turbo com seus 286CV, mas infelizmente exite uma coisa chamada demanda. no caso brasileiro além do transporte de madeira, o transporte canavieiro começava bem nessa época, então a Scania tratou de lançar o poderoso V8 e ela mostrou LK 140 no Salão do automóvel de 1974.
    E não era o caso de aplicar um motor V8 ao "Jacaré" afinal o V8 não cabe no cofre, teria que fazer um caminhão totalmente novo e as novas cabines já estavam disponíveis no "velho continente" então nada mais que fabricar o modelo Brasil.

A CHEGADA AO MERCADO BRASILEIRO: Se dá em junho de 1975, os modelos estavam disponíveis no LK(4x2) e LKS(6x2) esse último tinha opção de chassi-rígido, o câmbio era manual de dez marchas, o motor estreante era o Scania V8 DS14 como nome já diz se trata de um V8 não foi o primeiro  caminhão nacional V8, afinal já tivemos Ford F 600 e Dodge D700, mas existe uma diferença crucial aqui: os de projeto norte-americanos eram á gasolina, ao passo que o projeto  Sueco era á diesel, motor com bloco e cabeçote de ferro, comando de válvulas no bloco acionado por varetas e apenas 16 válvulas, turbo , intercooler e bomba injetora de atuação direta, o seu diâmetro é de 127mm e o curso é de 140mm o que totalizavam 127KGFM a 1500RPM e 350CV a 2000RPM era de longe o caminhão mais potente do mercado nacional, só para se  ter uma ideia a Mercedes-Benz só chegaria a ter esse nível de potência na década de 1990, a FNM seria extinta na década de 1980 e a Volvo não existia na época. A sua suspensão era dependente tipo eixo rígido com feixe de molas nos dois eixos. Os freios eram á ar comprimido e tambor nas quatro rodas e dois tanques de combustível de 200 litros que davam 400 litros. Lógico que por ser cara chata e o "V8" na dianteira acabaria impondo respeito.

O LK 140 chegava ao mercado com motor V8 14 litros turbo diesel de 350CV.

O LKS é a versão 6x2 do LK.

Lógico que o desempenho acima da média foi elogiado na mesma proporção que as críticas vieram para as quebras de diferencial(afinal aproveitava o do seis cilindros e aí não aguentava), o consumo elevado. O Curioso é que naquela época ele era o caminhão mais potente do mundo, ou seja é como se o Volvo FH 750(que vem importado como 8x2) ou até mesmo o Scania R 730 V8 fossem fabricados no Brasil Hoje. 
    E lógico já foi lançado como linha 1976, em outubro de 1976 na linha 1977 nada muda, em outubro de 1977 na linha 1978 nada muda.

A CHEGADA DOS LK 141/ LKS 141 E A ESTRÉIA DO LKT 141  se dá em outubro de 1978 como linha 1979 era os modelos LK 141, LKS 141(6x2) e estreava o LK 141(6x4) mas as mudanças iam além disso, o V8 de 14 litros passou a gerar 151KGFM a 1300RPM e 375CV a 2000RPM se tornando o caminhão nacional mais potente fabricado até então, só para se ter uma ideia a Mercedes-Benz só foi superar a potência em 1999!, além disso a Scania introduziu a faixa verde no conta-giros como forma de instruir o motorista a melhorar o consumo, mas o diferencial continuava não dando conta do recado e por incrível que pareça esse problema seguiu a Série 2 e 3. No resto tudo se manteve, foi a primeira estrela do Carga Pesada na primeira temporada, lógico que o ronco do V8 Scania é inconfundível, pena que hoje muitas estão vivendo com o seis cilindros em linha para trabalhar, por causa do alto preço das peças do V8. voltando á época o emblema "V8" na dianteira impõe respeito.

O Scania LK  141 V8 chegava ao mercado, agora o V8 14 litros turbo diesel gerava 375CV e mais tarde chegava o LK 111 com os motores seis cilindros de 11 litros emprestados do " Jacaré" o aspirado com 203CV e o turbo com 296CV.

Em outubro de 1979 na linha 1980 para agradar aqueles que queriam o modelo "cara-chata" mas com motor de seis cilindros era lançado o LK 111 que vinha com  seis cilindros de 11 litros á diesel emprestado dos L/LS/LT 111, o seu diâmetro era de 127mm e o curso era de 145mm o que totalizavam 11000cm3, a sua taxa de compressão era de 16,5:1 e o motor aspirado "maçarico" gerava  77KGFM a 1200RPM e 203CV a 2200RPM só que esses foram bem raros nos LK e a versão Turbo desse motor que gerava 111KGFM a 1400RPM e 296CV a 2200RPM essa por incrível que pareça é mais comum que achar um V8 original hoje em dia e ela era chamado de "S" como era no "Jacaré". Isso era o começo do fim. em outubro de 1980 na linha 1981 nada muda. Em julho de 1981 ela dá adeus e a Scania só voltaria ter um cara-chata e um motor V8 um ano depois com a chegada do R112 e aí a conversa é outra.


O Scania LK tem o mérito de ser o primeiro V8 Turbo Diesel do mercado nacional, rompeu barreiras de potência na época, afinal passou dos 300CV onde nenhum caminhão chegava era o poderoso V8 da época , no final da carreira ainda manteve a condição de caminhão nacional mais potente até a sua aposentadoria mercadológica, mas até hoje é criticado pelo diferencial e pelo consumo elevado(algo que a Scania tenta evitar muito nessa geração atual de V8 dela). tem alguns vivos é verdade, pouco com motor V8, a maioria com motor seis cilindros(especialmente 112). 


Comentários

  1. Lk v8 adquiri essa máquina a15 dias estou dando um talento mas um v8 e tudo de bom tá com muita saúde . Bem legal essa história apredi mas um poco

    ResponderExcluir

Postar um comentário